PORTUGAL FAZ-LHE BEM

35º

de 84
ver todos
Ver
mapa

Museu Nacional de Arte Antiga

35º

de 84
ver todos

Instalado num belo palácio de Alvor do século XVIII, com vista sobre o rio e a zona portuária, este é um dos museus mais visitados em Portugal. A sua importância reside no facto de reunir o mais significativo espólio da arte portuguesa dos séculos XIV a XIX, indispensável para um entendimento da história da arte em Portugal. A criação do Museu surgiu da necessidade de albergar as obras de arte da Igreja que passaram para as mãos do Estado, aquando da abolição das ordens religiosas, após o triunfo dos liberais, em 1834. Desde essa altura, o seu espólio foi sendo enriquecido por diversas vias, nomeadamente com as peças oriundas dos Palácios Reais e das Sés e Paços Episcopais, e com diversas acções de mecenato, doações e legados. O acervo do Museu compreende as Artes Plásticas (Pintura, Escultura, Desenho e Gravura) e as Artes Decorativas (Ourivesaria, Cerâmica, Têxteis e Mobiliário). A colecção de Pintura abrange cerca de 2200 obras, que vão do século XIV aos anos vinte do século XIX, estando dividida entre pintura portuguesa e pintura europeia. Aqui merece referência especial o famoso e misterioso conjunto de seis painéis de figuração nacional, conhecido como "Políptico de São Vicente", atribuído a Nuno Gonçalves. A ourivesaria está representada com 3200 peças (do século XII ao século XIX), de origem portuguesa e francesa. Rica em variedade, a colecção de cerâmica inclui cerca de 7500 peças em faiança e porcelana de diversas origens e expressivas de fabricos europeus, nacionais e orientais. A exposição dos têxteis é rotativa, devido às características das fibras, sendo composta por cerca de 4500 peças no seu total. Relativamente ao mobiliário (1700 exemplares), é possível encontrar raridades portuguesas, europeias e orientais. Como obras conhecidas deste museu, para além dos "Painéis de São Vicente", é de destacar os Biombos Namban, o tríptico "A tentação de Santo Antão" de Bosch ou retrato de São Jerónimo da autoria de Albrecht Dürer. Para relaxar ou reabastecer forças após a visita, nada melhor que aproveitar o ambiente calmo e acolhedor do restaurante ou da cafetaria do Museu, com a companhia do Tejo em fundo.

Acessos: Autocarros: 14, 27, 28, 32, 40, 49, 60. Eléctricos: 15, 18, 25.
Dia(s) de Encerramento: Segundas, Terças de manhã
Horário de visita: 3ª feira: 14h00-18h004ª feira a Domingo: 10h00-18h00Encerrado às 2ªs feiras, 3ªs feiras de manhã, 1 de Janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de Maio e 25 de Dezembro.
Marcação prévia: Aconselhável para visitas em grupo e para dispor do Serviço Educativo. Marcações nos dias de funcionamento do Museu, por telefone, das 9:00 às 13:00 e das 14:00 às 17:00.
Nº máximo pessoas por grupo: 25
Observações: O Museu encerra a 1 de Janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de Maio e 25 de Dezembro.Entrada gratuita aos domingos e aos feriados até às 14.00h.Museu pertencente à DGPC - Direcção-Geral do Património Cultural
Serviços disponíveis: Centro de Informações, Loja, Livraria, Café e Restaurante. Serviço Educativo e Visitas Temáticas.
Morada: Rua das Janelas Verdes 9
Código Postal: 1249 017 LISBOA
Tel: 213912800
E-mail: geral@mnaa.dgpc.pt
Site: www.museudearteantiga.pt
Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa
Freguesia: Santos-o-Velho

10 Obras de Referência - Museu Nacional de Arte Antiga


Peças que falam.


Ana Raposo

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) fecha as suas portas às 18 horas, excepto na última quarta-feira do mês, dia em que os visitantes são convidados a ficar, ou a entrar, para uma viagem guiada por alguns dos tesouros artísticos mais relevantes deste museu.



No terceiro piso - a que se tem acesso pela escadaria principal - cerca de 150 pessoas estão num silêncio absoluto. A razão prende-se pela iniciativa «Visita a 10 Obras de Referência», já na segunda edição, que o Museu Nacional de Arte Antiga realiza todos os meses.

O objectivo é a divulgação e promoção do património cultural, permitindo aos diversos públicos do MNAA uma visão imediata da importância histórica e da diversidade tipológica das obras em exposição.

O público presente não é homogéneo. Pessoas de todas as idades, como especialistas, estudantes, professores e reformados conquistam o espaço, algumas sentadas nas cadeiras dispostas para o efeito, outras de pé, com os olhos atentos no painel onde se projectam imagens da peça em destaque – uma escultura datada do segundo quartel do século XIV, pertencente à Oficina de Mestre Pêro, intitulada «Virgem com o Menino».

Antes de se dar início à sessão, são distribuídas folhas informativas com um pequeno resumo sobre a obra-prima que se exibe, o que ajuda – e muito – à sua contextualização. Luísa Penalva e Anísio Franco - especialistas em História de Arte e técnicos do MNAA - satisfazem os olhares curiosos. O tempo é limitado, mas nada fica por explicar. Devido às influências que a sua arte manifesta, A Virgem com o Menino, uma figura central na evolução da escultura gótica trecentista em Portugal, atribui-se a um artista estrangeiro, talvez de origem aragonesa. Não se sabe ao certo a data da sua chegada ao país, sendo possível ter vindo por volta de 1330, escassos anos após a morte de D. Dinis (1325), nos primórdios do reinado de D. Afonso IV, seu filho.

2007-04-24
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida