Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

Corredor Verde de Monsanto

Projetado nos anos de 1970 pelo arquiteto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles, o Corredor Verde de Monsanto veio a tornar-se uma realidade em dezembro de 2012. Liga o Parque Florestal de Monsanto ao Parque Eduardo VII, alargando o pulmão da cidade até muito perto do seu centro nevrálgico. Com 2,5 km de extensão e uma área de 51 hectares, conta com duas pontes ciclopedonais, uma das quais sobranceira à Rua Marquês da Fronteira.Esta estrutura citadina ecológica conta com diversos equipamentos, desde jardins, parque hortícola, searas, dois miradouros, três quiosques com esplanada, parque juvenil, skate parque e dois parques de manutenção física.O Jardim Amália Rodrigues, a área junto ao Palácio da Justiça, os Jardins de Campolide e o Parque Urbano da Quinta José Pinto (quinta pedagógica) são alguns dos locais abrangidos pelo verdejante percurso. Ao longo do corredor, foram plantadas centenas de árvores e arbustos, entre os quais carvalhos, sobreiros, pinheiros mansos e ameixoeiras. Foi criada uma zona experimental de prado biodiverso de sequeiro, com cerca de 20 espécies, que se caracteriza por captar grandes quantidades de carbono e necessitar de pouca manutenção.A sinalética existente ao longo dos caminhos, em plástico reciclado, disponibiliza todo o género de informações úteis e detalhadas para o utilizador.

Código Postal: 1099 040 LISBOA
Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa
Freguesia: São Sebastião da Pedreira

Passeio de bicicleta em Lisboa


O Corredor Verde num tapete vermelho


Nelson Jerónimo Rodrigues

Demorou mais de 30 anos a arrancar mas valeu a pena. O Corredor Verde de Monsanto liga o Jardim Amália Rodrigues ao parque florestal num percurso de 2,5 km que releva o lado mais saudável e ecológico de Lisboa. O Lifecooler pegou na bicicleta, deu ao pedal e descobriu uma cidade de pulmão cheio.

Guardado na gaveta desde os anos 70, o projeto do Corredor Verde de Monsanto (uma ideia do arquiteto paisagista Gonçalo Ribeiro Teles) só ganhou pernas para andar em dezembro de 2012, altura em que foi finalmente inaugurado. Para andar e paladar, dizem os amantes das bicicletas, que passaram a ter uma via ciclável de excelência em matéria de traçado, segurança e envolvência. (Se não sabe andar de bicileta, saiba aqui onde aprender).

O ponto de partida deste passeio, no alto do Jardim Amália Rodrigues, prova-o bem e oferece uma das melhores vistas de Lisboa, estendendo-se desde o Parque Eduardo VII até ao Tejo. Uma boa altura para virar as costas à agitação da cidade e seguir na direção oposta, rumo à ponte de madeira (em pinho nórdico) que passa por cima da Rua Marquês de Fronteira.

Do lado de lá, junto ao Palácio da Justiça, espera-nos uma pista vermelha rodeada por prado de sequeiro (mais sustentável que o relvado) onde encontramos os primeiros utilizadores. Mesmo em tempo de chuva há quem não abdique da habitual corridinha ou pedalada mas até os mais novatos têm a tarefa facilitada porque (neste sentido) o caminho é quase sempre a descer.

Miradouros, jardins e arte urbana

O percurso ainda mal começou mas fazemos já uma pausa junto ao parque de skate, que oferece um curioso panorama de Lisboa com as abóbadas e o minarete da mesquita em primeiro plano. Mas as vistas surpreendentes não ficam por aqui porque pouco depois (após a Faculdade de Economia da Universidade Nova) iremos encontrar outro miradouro, já com Monsanto em pano de fundo. O parque florestal pode parecer perto mas até lá ainda temos muito que pedalar.

Para já é necessário passar a ponte Gonçalo Ribeiro Teles sobre a Avenida Calouste Gulbenkian que dá acesso ao jardim Amnistia Internacional. Rodeado de alfarrobeiras, oliveiras e medronheiros, este espaço verde conta com um circuito de manutenção, um parque infantil, um anfiteatro e até uma horta urbana. Quem precisar carregar baterias (bebidas ou snacks) também tem à disposição o Quiosque d´Avó. 

Continuando sempre a descer iremos cruzar-nos pela primeira vez com o trânsito automóvel mas antes da passadeira na rua de Campolide vale a pena admirar um dos mais belos exemplos de arte urbana de Lisboa. Batizado com o nome Flor de Íris ocupa toda a parede lateral de um edifício antigo e oferece um toque de irreverência e modernidade ao corredor verde. Já no outro lado da rua fica a Quinta do Zé Pinto, espaço pedagógico que trouxe o campo à cidade ao plantar uma seara em plena capital.

Meta à vista


“Está aqui, está em Monsanto”, diz um cartaz colocado junto ao novo parque infantil de Campolide (ao lado da quinta) e é mesmo verdade. Para chegarmos à mata só falta percorrer o que resta da Rua de Campolide (cerca de 250 metros), com passagem sobre a linha ferroviária e sob o viaduto do Eixo Norte-Sul.

Depois de mais três ou quatro passadeiras (cuidado porque nem todos os automobilistas param em tempo útil) chegamos a um parque de estacionamento que marca o início de Monsanto. E aqui os ciclistas têm várias opções: ou continuam pela ciclovia que rodeia a mata (paralela à radial de Benfica) ou partem à descoberta da enorme rede de percursos (pedonais e cicláveis) do Parque Florestal de Monsanto. No total há cerca de 40 km à disposição, uns mais tranquilos, outros a puxar pela adrenalina. (Para outras ciclovias e ecopistas, consulte este dossiê.)

Quanto a nós, é tempo de voltar para trás e preparar as mudanças mais leves da bicicleta porque agora o caminho faz-se a subir. Se antes todos os santos ajudaram agora… pernas para que te quero!


Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida