Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

de 6
ver todos

Ruínas Romanas de Tróia

de 6
ver todos

As Ruínas Romanas de Tróia, com dois mil anos de história, são o maior complexo de produção de salgas de peixe conhecido no mundo romano. Construído para aproveitar a riqueza do peixe do Atlântico e a qualidade do sal das margens do Sado, terá estado ocupado até ao século VI.
O seu elemento mais típico é o conjunto das oficinas de salga, com tanques para preparação de conservas e molhos de peixe, incluindo o garum, muito citado entre os autores latinos. Também estão a descoberto termas com salas e tanques para banhos quentes e frios, um núcleo de habitações com casas de rés-do-chão e primeiro piso, uma rota aquaria (roda de água), um mausoléu, necrópoles com distintos tipos de sepulturas e uma basílica paleocristã com paredes pintadas a fresco.
Desde 1910 que estão classificadas como Monumento Nacional. Em 2005, mediante um Protocolo celebrado com o Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) e o Instituto Português de Arqueologia (IPA), actualmente parte do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR), o troiaresort criou uma equipa de arqueologia que desenvolve trabalhos de investigação no local.
A par dos trabalhos de valorização em curso, o sitio arqueológico está aberto à visita, e é possível organizar actividades lúdico-pedagógicas para grupos.
Em 2011 foi criado um novo percurso de visita, com cerca de 450 metros, projectado pelo arquitecto paisagista Hipólito Bettencourt, com painéis explicativos, sinalética e outros elementos de divulgação da autoria do designer Francisco Providência.

Acessos: Via Setúbal, por barco, ou por estrada, via Alcácer, Grândola ou Santiago do Cacém.
Horário de visita: Setembro a maio: sábados das 10:00 às 13:00 e das 15:00 às 17:30Junho a agosto: de terça a sábado, das 10:00 às 13:00 e das 14:30 às 18:30.
Observações: Visitas guiadas: outubro a maio, no 1º sábado de cada mês, às 15:00; junho e setembro, sábados, às 15:00. Julho e agosto, quartas-feiras e sábados, às 10:30. Em agosto encerra durante as Festas de Nossa Senhora do Rosário de Tróia.
Título: O passado industrial dos romanos
Acessibilidade física: Percursos de visita
Detalhe de acessibilidade física: Nas Ruínas Romanas de Tróia, a área nuclear (composta por oficinas de salga, termas, necrópole, R. da Princesa e termas) permite a circulação em percursos com a inclinação máxima de 6% e com painéis explicativos rebaixados, a uma altura acessível a pessoas com mobilidade reduzida.
Detalhe de informação acessível: Sob requisição na bilheteira existem textos em braille acerca das Ruínas Romanas de Tróia
Informação acessível: Braille
Morada: Península de Tróia
Código Postal: 7570 CARVALHAL GDL
Tel: 265499400
E-mail: arqueologia@troiaresort.pt
Site: www.troiaresort.pt
Distrito: Setúbal
Concelho: Grândola
Freguesia: Carvalhal

Ruínas romanas de Tróia - Grândola


O segredo mais bem guardado...


Nelson Jerónimo Rodrigues

Entre a agitação turística de Tróia escondem-se os vestígios de uma civilização com 2000 mil anos, que são o legado de um dos mais importantes sítios arqueológicos da época. Votadas ao abandono durante décadas, as ruínas romanas começaram agora a ser recuperadas mas já recebem visitas do público.

Ainda Tróia era uma pequena ilha do estuário do Sado, chamada de Ácala, quando os romanos transformaram o local num dos mais importantes centros de produção de salgas de peixe no Ocidente. Foi um apreciadíssimo preparado de peixe (espécie de paté da época) que lhe trouxe fama (e proveito), tantos eram os navios que daqui partiam carregados com esta “especialidade gourmet”.

Muito utilizado na culinária da época, sobretudo pelas famílias mais ricas, chegou a ser vendido a preços exorbitantes. A sua produção era feita naquele que é hoje é considerado o maior complexo de conservas e molhos de peixe do Império Romano. É aqui que começa a nossa visita pelo povoado romano de Tróia.

Os inúmeros tanques saltam-nos imediatamente à vista. Com formatos e tamanhos diferentes (o que sugere diferentes tipos de produtos), serviam para salgar o peixe, deixando macerar as vísceras que, depois de seleccionadas e fermentadas com ervas aromáticas, davam origem ao tão afamado molho de peixe: o garum.

Próximo deste conjunto industrial fica a zona da necrópole. O local revela-nos como se encarou a morte durante os cinco séculos de ocupação do povoado, desde o século I ao século VI. Por exemplo, se a sepultura de Galla remete para a época em que se queimavam os corpos (século I), o mausoléu mostra como no século IV os corpos já eram depositados em urnas.

O encanto da princesa

Bem próximo da margem do rio encontramos o que resta das habitações romanas, algumas delas com dois pisos e luxuosa decoração, como provam os mosaicos e pinturas a fresco lá encontrados. É aqui que fica a Rua da Princesa, assim chamada devido ao fascínio que a então princesa D. Maria (mais tarde rainha) ganhou por este local.

Foi graças a ela que, a partir de finais do século XVIII, a casa real passou a financiar escavações arqueológicas em Tróia. E a riqueza dos achados era tal que mais tarde, em 1850, motivou a criação da primeira Sociedade Arqueológica Lusitana, pensada especialmente para as escavações nesta zona.

2007-07-19
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida