Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

de 7
ver todos

Parque dos Poetas

de 7
ver todos

Parque temático, tendo a sua 1ª fase sido inaugurada em 1993 e cujo nome advém do conjunto de 61 esculturas (na sua composição final ainda não concluída) referentes a poetas portugueses do século XX, como por exemplo Mário de Sá-Carneiro, Fernando Pessoa ou Sophia de Mello Breyner. Projecto nascido em torno da ideia de David Mourão Ferreira e Francisco Simões, de celebração da poesia portuguesa do século XX, a sua componente paisagística é da autoria do arquitecto Francisco Caldeira Cabral. É um moderno jardim com grandes áreas verdes e fontes, um anfiteatro ao ar livre, um parque infantil e um parque de merendas. Nos meses de Verão são realizadas diversas actividades relacionadas com o desporto e a cultura.

Horário de Funcionamento: Das 09:00 às 22:00. (Horário de Inverno); das 08:00 às 22:00 (Horário de Verão).
Observações: Acesso gratuito
Serviços disponíveis: Parque de merendas; Parque infantil; Anfiteatro; Campos polidesportivos.
Morada: Quinta do Marquês
Código Postal: 2784 501 OEIRAS
Tel: 214408300
E-mail: dct@cm-oeiras.pt
Site: parquedospoetas.cm-oeiras.pt
Distrito: Lisboa
Concelho: Oeiras
Freguesia: Oeiras e São Julião Barra

Parque dos Poetas


Uma inspiração de sonho a poucos quilómetros de Lisboa. Uma boa proposta a aceitar em nome do descanso e da descoberta.


Rita Farinha

Escolha um dia soalheiro, sem vento, apanhe o comboio da linha de Cascais e escolha uma de duas estações, Oeiras ou Paço de Arcos. Qualquer uma dá acesso a um dos parques urbanos onde de facto é possível descansar. A viagem por si só poderia servir de motivo para a visita. Com vista para o Tejo afastamo-nos de Lisboa, deixando a Ponte 25 de Abril para trás, ficando cada vez mais pequenina e distante. Depois do comboio, há diversos autocarros que o levam ao destino, ou como alternativa pode sempre escolher o velho amigo “táxi”. Em menos de cinco minutos estará em frente dos actuais 10 hectares de descontracção e poesia.

Primeira impressão

Ao entrar parece-nos enorme, não é que não seja, mas só de pensar que ainda faltam mais 15 hectares por abrir, ainda ficamos mais apaixonados pelo local. Banquinhos com dupla direccionalidade, estátuas de dois metros de altura ideais para uma pose fotográfica, toldos de estrutura metálica ou de madeira, são apenas algumas das características que este parque tem para oferecer.

A primeira dificuldade que vai encontrar é para onde vai primeiro. Já se vislumbram as estátuas, os repuxos, as fontes, os diversos caminhos devidamente assinalados.

Após a hesitação inicial, seguimos para as primeiras estátuas, pisando os poemas de diversos autores, inscritos no mármore ao longo da larga passadeira. Sobre estruturas de alumínio que nos indicam o caminho por cima da relva fresca e acabada de regar, chegamos junto das diversas obras de arte. O nome assinalado na estrutura metálica em forma de folha, ajuda-nos a identificar as diversas personalidades, que mesmo ao vivo são maiores que nós.

Teixeira de Pascoaes, Mário Sá Carneiro, Florbela Espanca, José Gomes Ferreira, Miguel Torga, Sophia de Mello Breyner Andresen, Natália Correia, Eugénio de Andrade, António Ramos Rosa, Alexandre O’Neill e Fernando Pessoa, estão ali à sua disposição. Sente-se num dos bancos existentes e, quem sabe, não se deixa inspirar pelo momento e contagiar pela proximidade de tão ilustres figuras.

Descanso assegurado

De falta de locais para se sentar não se pode queixar. É pena não haver ainda muitas sombras, mas isso é uma questão de tempo, uma vez que existem muitas árvores em fase de crescimento.

2003-08-19
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida