Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

19º

de 87
ver todos

Jardim Botânico da Ajuda

19º

de 87
ver todos

É o mais antigo Jardim Botânico de Portugal, tendo sido mandado plantar pelo Marquês de Pombal, em 1768, segundo o projecto do italiano Domingos Vandelli. Foi construído com a vocação de museu e viveiro de espécies botânicas oriundas das mais diversas partes do mundo, sendo presentemente administrado pelo Instituto Superior de Agronomia. Foi alvo de exmplar recuperação. Fica junto ao Palácio da Ajuda, do lado oposto da calçada homónima. Muitos elementos decorativos como fontes e escadarias denotam influência barroca. O Jardim dos Aromas foi concebido especialmente para os invisuais: todas as indicações se encontram em braille e as plantas encontram-se dispostas de forma a que possam ser facilmente tocadas e cheiradas.

Horário de Funcionamento: 09.00h às 20.00h
Observações: Encerra no dia 25 de Dezembro e 1 de Janeiro.Entrada: 2€ - entrada normal; 1€ - estudantes e reformados; crianças até aos 7 anos grátis
Serviços disponíveis: Jardim dos Aromas (percurso botânico para invisuais); Indicações em Braille; Restaurante; Cursos de Jardinagem.
Acessibilidade de deficientes motores: Acessibilidade fácil
Título: Jardim das maravilhas
Morada: Calçada da Ajuda
Código Postal: 1300 010 LISBOA
Tel: 213622503
E-mail: botanicoajuda@isa.utl.pt
Site: www.jardimbotanicodajuda.com
Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa
Freguesia: Ajuda

Jardim Botânico da Ajuda


Eva Marcela, do blogue Documentar o Mundo, sugere receber a Primavera num dos jardins mais bonitos de Lisboa, entre imponentes pavões e árvores de grande porte. Um espaço verde regiamente localizado e com vistas sobre o Tejo.


Por Eva Marcela

Projetado pelo botânico italiano Domingos Vandelli a pedido do rei D. José, o Jardim Botânico da Ajuda é um ótimo destino para passear após conhecer o Palácio da Ajuda, o Museu dos Coches ou para saborear uns pastéis de Belém.

Com a mudança da família real para a Ajuda após o terramoto de 1755, D. José I mandou construir este jardim não só para recreio dos filhos de D. Maria mas também de modo a preservar as várias espécies botânicas oriundas de outras partes do mundo. Viria a ser o primeiro jardim botânico em Portugal e conta com uma vista privilegiada para o rio Tejo. O terraço superior é o local de eleição para dela disfrutarmos, enquanto admiramos as várias espécies de plantas colocadas em canteiros geométricos. Existem ainda três estufas – estufa das orquídeas, estufa de D. Luís e estufa das avencas – todas fechadas. Em frente a um pequeno lago, uma figueira da Austrália domina completamente o espaço, dada a sua dimensão. Há quem aproveite para descansar sentando-se nas suas raízes que há muito romperam da terra.

Dois dos pavões existentes no jardim preferem a escadaria para apreciarem o terraço inferior. Descemos pelo lado esquerdo de modo a não os perturbarmos. Um casal põe a leitura em dia de costas para a estátua do Infante D. José, que olha para a fonte das 40 bicas, onde estátuas de peixes, cavalos marinhos, rãs e cobras jorram água para as várias plantas aquáticas. Antes de as alcançarmos, perdemo-nos um pouco no meio do parterre de buxo aparado e disposto simetricamente, tentando não desmascarar as crianças e adultos que brincam às escondidas.

Em frente ao viveiro das naus fica uma pequena rampa que dá acesso ao terraço superior, onde a quarta estufa é atualmente ocupada pelo restaurante Estufa Real. Aqui é de destacar 3 árvores a que é impossível ficar indiferente: a jacaranda, o dragoeiro e uma schotia afra.

Apesar da entrada ser paga (2€) constatámos que o jardim tinha bastantes visitantes, incluindo alguns turistas que não se ficam pela zona de Belém.

Entrada: Calçada do Galvão ou Calçada da Ajuda

Horário:
1 de Outubro a 31 de Março – 9h00 às 18h00
Abril – 9h00 às 19h00
1 de Maio a 30 de Setembro – 9h00 às 20h00

A autora e o blogue
Eva Marcela é documentalista de formação e viajante de coração. Iniciou o blogue em 2012 onde partilha os lugares que visita. Nunca sai sem um caderno de capa dura e várias canetas. Recebeu o prémio de melhor blogue de viagens pessoal na 1ª edição dos BTL Blogger Travel Awards 2014.
Blogue
Facebook

 

Textos anteriores no Lifecooler:

Os avieiros da Póvoa

Uma água chamada saúde

Hambúrgueres com vista para o Tejo

Há vida na aldeia de Quintandona


Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida