Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

Embarcações tradicionais da Câmara Municipal da Moita

A Câmara Municipal da Moita possui dois exemplares de embarcações tradicionais do Tejo que foram recuperadas para passeios turísticos: um varino "O Boa Viagem" e um bote de meia quilha "A Pombinha". Ao longo do ano são promovidos vários passeios fluviais a bordo do varino.

Observações: Os interessados devem consultar o site da Câmara Municipal da Moita e efectuar as inscrições através do Posto de Turismo, via email ou telefone.
Código Postal: 2860 702 MOITA
Tel: 212806858
E-mail: sec.turismo@mail.cm-moita.pt
Site: www.cm-moita.pt
Distrito: Setúbal
Concelho: Moita
Freguesia: Moita

Passeio de varino no Tejo - Moita


O Boa Viagem conhece agora carga mais ligeira, levando os passageiros em passeio pelo Tejo.


T. Alda Rocha | Fotos 1, 4 e 6 Câmara Municipal da Moita | Fotos 2, 3 e 5 Alda Rocha

A sabedoria popular manda que nos aviemos em terra mas, em tempo de lazer, nem sempre o bom senso está desperto, daí o lembrete. Esperam-no três horas de navegação que mesmo de estômago recheado acabarão por cobrar algum reforço.

Não se esqueça da água e tenha o cuidado de pôr protetor solar antes de entrar a bordo que, por mais fresco que lhe pareça, o sol é inclemente. Um agasalho também não é de mais, pois a mesma brisa que disfarça o calor, pode arrefecer-lhe o ânimo. De recomendações básicas estamos conversados, que o barco é antigo mas tem WC.

Antes de levantar amarras, falta apenas fazer a chamada, para saber se há quem se quede por terra. O Boa Viagem leva 47 pessoas, além da tripulação de três homens, entre mestre e dois marinheiros. Os passeios decorrem de abril a outubro, com tempo de feição, em horas que variam com os caprichos da maré. Também há voltas de grupos que duram todo o dia, basta combinar atempadamente. É sempre recomendável consultar o site da Câmara da Moita, à qual pertence a embarcação, para se saber os pormenores, sendo que os preços dos passeios de três horas vão de 1,79 euros (6 a 12 anos) a 3,58 (13 em diante).

É chegada a hora de zarpar, enquanto o mestre, João Gregório, faz as honras a bordo, ficando Paulo Guerreiro como homem do leme. Mestre João cativa os passageiros desfiando histórias do rio, sob o olhar particularmente concentrado dos miúdos. Já houve um tempo em que estes barcos eram fundamentais a juntar as duas margens do Tejo. Carregavam pedras e areia, produtos hortícolas, bem como cortiça, havendo um lugar particular ocupado pelo sal. Nestas margens, a sul, perfilavam-se diversas salinas e os varinos eram exímios a chegar bem perto de terra. De fundo chato, sem quilha, conseguem a proeza de navegar em águas muito baixas.

Saber partilhado

A informação vai sendo partilhada por João Gregório, enquanto o varino vai seguindo caminho nas águas mansas do canal. Para trás ficou o cais da Moita, assente em estacaria de madeira já no ano de 1722. Está perfeitamente alinhado a norte, de onde sopram os ventos dominantes, e é nessa direção que segue ligeiro O Boa Viagem, até à ilha do Rato.

2012-08-09
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida