Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

Casa da Azenha

Localizada no Alto Douro Vinhateiro, a Casa da Azenha é um típico Solar Duriense do séc. XVII, inserido numa área de 13 hectares fazendo parte da região classificada de Património Mundial da Unesco. Composta por 5 quartos com acesso ao jardim (excepto 1 dos quartos) e um apartamento T1. A decoração é requintada com móveis do século XIX, mas com o conforto actual. Possui duas salas: uma com lareira e televisão, e outra de leitura e jogos. Poderá ainda usufruir da piscina e da vasta propriedade com capela e hortas.

Localização: Campo
Nº de camas: 9
Nº de quartos: 6
Observações: Outro contacto: 965119479. Servem-se jantares mediante marcação prévia. O apartamento tem kichenete.
Período de funcionamento: Todo o ano
Preço Época Alta: 95.00
Preço Época Baixa: 85.00
Categoria: Turismo de Habitação
Acessibilidade física: Lugares de estacionamento para pessoas com deficiência, Entrada e acesso à sala possível por pessoas em cadeira de rodas
Serviços / Equipamentos: Acessos para deficientes, Aeroporto, Animais admitidos, Biblioteca, Bicicletas, Cofre na recepção para guarda de valores, Espaço / equipamento para acesso à internet, Estação de autocarros, Estação de comboios, Hospital / centro de saúde, Jardim, Lavandaria, Parque de estacionamento, Piscina exterior, Piscina infantil, Refeições, Sala de estar comum, Sala de TV e/ou vídeo, Segurança ou vigilância, Solário, Telefone nos quartos, TV nos quartos, TV Satélite/TV Cabo, Aquecimento
Morada: Rio Bom Cambras
Código Postal: 5100 421 CAMBRES
Tel: 254666205
E-mail: info@casa-azenha.com
Site: www.casa-azenha.com
Distrito: Viseu
Concelho: Lamego
Freguesia: Cambres

Casa da Azenha - Lamego


Sinfonia de aromas.


Ana Marta Ramos

São cerca de 13 hectares em plenos socalcos durienses. Emoldurada por vinhas e montes e enfeitada por jardins luxuriantes, a Casa da Azenha oferece aos seus hóspedes o mais genuíno ambiente de uma família portuguesa tradicional.

A história da propriedade remonta ao século XVII. Manuel de Mascarenhas Gaivão e sua esposa, Ana Maria, são os actuais proprietários, o tempo presente de uma linhagem sucessória secular. Mas são, também, os precursores de um novo rumo: a abertura da Casa da Azenha ao turismo. Custa a crer que este edifício de traça solarenga tenha sido, um dia, apenas a azenha onde se moíam os cereais da quinta. Hoje alberga, para além da habitação dos proprietários, a área dedicada aos hóspedes, composta por cinco quartos e duas salas. Em complemento, as antigas instalações dos trabalhadores foram transformadas num requintado apartamento independente com capacidade para quatro pessoas e um alpendre com vista privilegiada sobre os jardins.

Dentro de portas a atmosfera transporta-nos ao romantismo oitocentista. A decoração assenta em pormenores cuidados: mobiliário e objectos originais do século XIX, fotografias e retratos a óleo que desvendam passagens da história da família, livros, muitos livros. Até mesmo nas mesinhas de cabeceira podemos encontrar algo para ler. No nosso caso, poesia portuguesa, romances franceses, informação sobre vinhos e livros históricos dedicados às lutas entre Liberais e Miguelistas. Mas a pequena biblioteca tem muito mais para oferecer. Um aficionado das leituras pode dar por si a passar horas a fio nessa acolhedora divisão da casa, em cujas paredes desfila uma colecção de painéis de azulejos encomendada pelo bisavô de Manuel de Mascarenhas Gaivão para homenagear a sua ala de eleição nas lutas atrás referidas – a Miguelista.

2007-05-16
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida