Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

de 21
ver todos

Restaurante Dinastia Tang

de 21
ver todos

No espaço de um antigo armazém de vinhos na Rua do Açúcar, na zona do Poço do Bispo, nasceu em maio de 2014 o Restaurante Dinastia Tang. Com um ambiente inspirado na China milenar e uma decoração cuidadosamente pensada, com objetos da dinastia Tang e Ming, serve cozinha tipicamente cantonesa com destaque para o tradicional dim sum. Outras especialidades que distinguem o menu são a Beringela com carne picada na púcara, Carne de porco com alho chinês e Raiz de lótus com mel. A atmosfera relaxada e intimista, com música ambiente tradicional, convidam a desfrutar da experiência de uma autêntica refeição chinesa num cenário que, tal como descrito pelos proprietários, "faz lembrar um filme chinês antigo".

Dia(s) de Encerramento: Não encerra
Estacionamento: Sim
Horário de Encerramento: 23:00
Lotação: 120
Necessidade de reserva: Aconselhável
Observações: Tem sala para eventos com lotação para 200 pessoas (no piso térreo)
Preço Médio: 20.00
Tipo de Restaurante: Chinesa
Horário de Funcionamento: Das 12:00 às 15:00 e das 19:00 às 23:00.
Morada: Rua do Açúcar 107
Código Postal: 1950 006 LISBOA
Tel: 967145938
E-mail: restaurante.dinastia.tang@gmail.com
Site: www.facebook.com/pages/Dinastia-Tang/654290067971754
Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa
Freguesia: Marvila

Dinastia Tang


A genuína gastronomia chinesa


Nelson Jerónimo Rodrigues

Neste restaurante não há crepes fritos, shop suey, cascatas coloridas e outras “invenções” ocidentais mas pratos chineses autênticos, muitos deles uma novidade em Portugal. O Dinastia Tang transformou um armazém de vinhos num templo imperial onde a decoração e a gastronomia dão a conhecer o lado mais desconhecido da China, sem clichés ou preconceitos. E tudo começou com uma história de amor…

Destino, coincidência ou efeito borboleta, a verdade é que um simples cruzar de olhos em Suzhou, na China, poderá mudar a forma como os lisboetas encaram a gastronomia e os restaurantes chineses. Foi na chamada Veneza do Oriente, a mais de 10 mil quilómetros de Portugal, que a estudante Marisa Cerqueira e o dono de uma loja de artesanato Bilnlu Zhu, se apaixonaram e casaram.

Em 2007 decidiram viver em Lisboa, onde ele abriu um estúdio de fotografia especializado em casamentos da comunidade chinesa. Centenas de banquetes depois o casal percebeu que faltava na cidade um espaço para eventos ao gosto oriental e, mais ainda, um restaurante que mostrasse aos portugueses a genuína gastronomia chinesa. E por que não juntar os dois no mesmo espaço? A resposta foi encontrada no Poço do Bispo, num antigo armazém de vinhos que hoje evoca uma das mais longas e prósperas dinastias chinesas.

Viagem à China profunda

Quem passa pela Rua do Açúcar (paralela à Avenida Infante Dom Henrique) dificilmente imagina que aquele discreto edifício cor de rosa guarda um dos mais bonitos restaurantes chineses do país. Contrastando com o salão de casamentos no rés-do-chão (demasiado exuberante para a estética ocidental) a sala de refeições do primeiro piso faz lembrar um templo milenar, envolto numa aura de mistério e majestosidade.

A decoração, toda oriunda da China, começa por levar-nos até ao período da dinastia Tang (do ano 618 a 917) com painéis de pedra logo à entrada que recordam os trajes e os penteados femininos dessa época, e uns passos depois e damos mais um salto no tempo rumo à dinastia Ming (1368 a 1644), presente nas mesas e cadeiras. A imensidão geográfica da China também está representada neste restaurante, desde as esculturas oriundas do norte do país ao artesanato em banho de prata de Guizhou, no sul, que dá a conhecer a cultura de uma das 56 minorias da China, os Miao. 

De Pequim chegaram alguns candeeiros e de Suzhou dois grandes Budas e várias cabeceiras de camas antigas (originais) que servem de divisória às mesas mais resguardadas. Em forma de arcada e com cores esbatidas pelo tempo são talvez os elementos mais marcantes do espaço, emprestando-lhe um toque acolhedor, intimista e quase secreto, a fazer lembrar os filmes chineses antigos. Não é por acaso que entre tantos lugares à disposição (cerca de 120) aqueles são sempre os primeiros a serem ocupados.

Gastronomia cantonesa e não só

O ambiente e a decoração oferecem um caráter singular ao Dinastia Tang mas é a gastronomia que o torna único. Desde o primeiro dia (9 de maio de 2014) que a casa promete servir apenas a original comida chinesa, tal qual a que se faz no país. A única concessão a esta regra foram os gelados fritos, não só porque muitos clientes o pedem mas sobretudo porque a China não tem muita tradição em matéria de sobremesas. Já os crepes fritos, os chop suey`s e outras “invenções ocidentais” ficaram desde logo excluídos.

Na ementa há alguns pratos mais clássicos e que todos já ouviram falar, como o pato à Pequim ou o porco agridoce, mas muitos são totalmente desconhecidos da maioria dos clientes, a começar pela raiz de lótus com mel que encabeça a lista de entradas. Cozinhada durante quatro horas e servida com arroz glutinoso é ideal para quem gosta de experimentar novos sabores e, em matéria de exotismo, só encontra paralelo nas línguas de pato com aroma chinês.

Entre os pratos de carne destaca-se a mão de porco com molho abalone (à base de marisco), o frango com tâmaras chinesas e bagas goji, o entrecosto à Hong Kong, a beringela com carne agridoce e o frango à Sichuan (picante), uma das quatro regiões que mais influenciou a culinária chinesa, juntamente com Pequim, Suzhou e Cantão (a mais representada no Dinastia Tang).Quanto aos peixes e mariscos, vale a pena experimentar a garoupa com alho chinês, o peixe agridoce e o caranguejo salteado com cebolinho. Como amostra da (pouco expressiva) doçaria típica chinesa dá-se a provar o doce de leite frito e as bolinhas de arroz glutinoso com recheio de sésamo e amendoim. 

Nas bebidas, as marcas portuguesas (vinhos e cervejas) têm a companhia do leite de coco e da cerveja chinesa mas a estrela desta seção é o chá (frio ou quente), servido em inúmeras variedades e com nomes bem sugestivos, como Deusa da Misericórdia, artístico de flor ou do Lago Oeste Longling. 

Um mestre a servir o imperador

O Dinastia Tang já começou a dar que falar mas a última novidade do restaurante – os dim sum - promete atrair ainda mais adeptos dos sabores orientais. Desde finais de junho que a casa tem um cozinheiro dedicado exclusivamente a esta especialidade, mandado vir de propósito da China. Mais uma vez a ideia é dar a provar “os dim sum mais autênticos de Lisboa” confecionados pelas mãos de um mestre com duas décadas de experiência.

Em breve haverá também concertos ao vivo com cantores e músicos orientais, para que a visita ao Dinastia Tang seja uma experiência total e irrepetível. Restaurantes chineses há muitos, mas este ambiciona o trono de imperador.

2014-07-01
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida