Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

de 15
ver todos

Restaurante A Escola

de 15
ver todos

Com a curiosidade de ocupar uma antiga escola primária, este restaurante tornou-se numa referência em todo o país pela excelência da sua cozinha que procura preservar o património gastronómico da região do Sado. Entre os pratos mais emblemáticos da casa, destaca-se, a título de exemplo, a empada de coelho bravo acompanhada de arroz de pinhão.

Acessos: EN 253, entre Álcacer do Sal e Tróia, na localidade de Cachopos.
Acessos para deficientes: Não
Ambiente e decoração: Ambiente acolhedor e agradável, alusivo às Escolas Primárias.
Animação: Quando solicitado
Bar/Sala de espera: Bar e Sala de Espera
Dia(s) de Encerramento: Segundas
Especialidades: Entradas: Coelho de coentrada; Cenoura aberta; Linguiça frita e Pimentos desfiados. Peixe: Arroz de choco com camarões de rio; Cherne à barqueiro; Enguias. Carne: Perdiz na púcara; Feijão adubado; Entrecosto com batata de rebolão; Açorda de coelho bravo; Pombo bravo de nabiçada; Lebre à casa; Empada de coelho bravo. Doces: Toucinho do Céu; Fidalgo; Doce da casa de pinhão; Encharcada.
Estacionamento: Sim
Horário de Encerramento: 00:00
Lotação: 100
Necessidade de reserva: Aconselhável
Período de Férias: Encerra na 2ª quinzena de Outubro.
Preço Médio: 20.00
Recomendado para grupos: Sim
Sanitários para Deficientes: Não
Serviços: Ar condicionado, esplanada
Tipo de Restaurante: Regional, Esplanada
Horário de Funcionamento: Das 11:30 às 15:30 e das 19:30 às 00:00
Acessibilidade de deficientes motores: Acessibilidade fácil
Área para fumadores: Não Fumadores
Morada: Estrada Nacional 253
Código Postal: 7580 308 ALCÁCER DO SAL
Tel: 265612816
E-mail: rest.aescola@iol.pt
Site: www.restauranteaescola.com
Distrito: Setúbal
Concelho: Alcácer do Sal
Freguesia: Santa Maria do Castelo

Restaurante A Escola – Alcácer do Sal


Uma verdadeira lição da boa mesa.


Paula Oliveira Silva

Antigamente eram pés descalços que faziam o caminho até esta escola que deu a primeira lição em 1950. Hoje é de carro que se chega. Quem vai a Cachopos, entre Tróia e Alcácer do Sal sabe “de cor e salteado” alguns dos atributos da cartilha que agora passou a ser gastronómica.

Vêm à procura de enguias à embarcadiço ou do cherne à barqueiro, mas também sabem que vão encontrar um passado que lhes foi tão familiar.

Nesta antiga escola, pode rever mapas antigos por onde estudou os rios e as linhas de ferro nacionais, carteiras de madeira com os buracos prontos a receberem os tinteiros e a caixa de sólidos e unidades de medida. Soa-lhe familiar?

No velho quadro de ardósia, onde outrora se aprendia o b-a-bá, está escrita a ementa. É assim desde que A Escola restaurante abriu há cerca de 12 anos. O proprietário cozinhou a lume brando o projecto de resgatar do esquecimento as memórias de uma cozinha antiga. Seguiram-se anos e anos de pesquisa materializados em quilómetros de distância por toda a zona do Sado, em conversas com familiares e até pesquisas na biblioteca, para se descobrir a história que cada sugestão apresenta.

Apesar da região ser rica no que à terra, ao mar e ao rio diz respeito, nem sempre o dinheiro abundava para a compra dos produtos. Valiam as artimanhas que proporcionavam uma cozinha variada, onde as ervas aromáticas cultivadas num canto da horta tinham um papel de destaque.

Nesta mesa, que é uma das melhores do país, nem sei o que vos hei-de recomendar. Tudo. A começar pela caça. Pombo de nabiçada, ensopado de lebre e empada de coelho bravo. Mas a intensidade dos sabores não se fica por aqui. Em nenhuma sugestão se encontra o standard, nem mesmo na ementa infantil. E quando uma criança se apresenta, é logo a primeira a ser servida. O parque infantil é um dos cenários da brincadeira.

Para os pais a refeição continua com um ensopado de cherne porque o mar está perto, o tomate dava-o a horta e o pão nunca faltava. O arroz de choco enriquecido com camarão é um pitéu. Quem é que não sabe da fama do Sado quanto a moluscos?

As carnes de porco, principalmente as partes menos nobres do animal eram aproveitadas pelos pobres e deixadas em calda de pimentão. Frita na banha, utiliza-se esse preparado para as batatas que ali rebolam até alourar. Assim se preparam as batatas de rebolão que também encontra na lista.

O ensopado de borrego era prato festivo mas ao comer de todos os dias, a Escola foi buscar o feijão adubado, que é quando à leguminosa, à linguiça e às sopas de pão se vem juntar o ovo escalfado. Uma forma de enriquecer (adubar) o cozinhado.

Acompanham os pratos, as migas e o arroz de pinhão. Para quem está habituado a vê-lo tão branco no prato é também um prazer deitar a vista na extensa área de pinhal manso que rodeia o restaurante.
Mas antes do encerramento da refeição seria um pecado não provarmos dos doces testemunhos de outrora guardados pelas freiras do convento de Aracoelli. As últimas palavras vão para a bebida. Vinhos que dominam a carta são bons representantes da vinha do Alentejo e do Sado. A refeição só termina com um licor de bolota de azinho assistido pela batata doce com açúcar e canela.

Depois de terminada a aula, já se está em condições de perceber por que razão, sempre que concorre, a Escola fica entre os melhores. Da região e do país. Essa é que é essa.



REPORTAGEM ACTUALIZADA EM JUNHO DE 2009

2004-03-30
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida