Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

de 1
ver todos

Serra de Sintra

de 1
ver todos

Localizada a Oeste de Lisboa, pertence à orla sedimentar da Estremadura. É designada por Serra da Lua devido à exuberância da sua natureza.

Actividades desportivas / lazer: BTT, Montanhismo, Percursos pedestres não sinalizados
Altitude (m): 528
Características Geológicas: Serra de solos calcários.
Clube de Turismo Activo: Associação de Montanhismo - Loja Vertical em Sintra; Sintra Aventura (Divisão de Desporto da Câmara Municipal de Sintra).
Fauna: Toupeira, Morcego anão, Coelho, Raposa, Gineta, Tritão verde, Sardão, Cobra-rateira, Fura-mato.
Flora: Carvalho, Pinheiro bravo, Ulmeiro, Acácia, Salgueiro, Choupo, Amieiro,Cravo romano, Cravo de Sintra.
Observações: Integra o Parque Natural de Sintra. A Serra termina no Cabo da Roca, uma escarpa de 100 metros sobre Oceano Atlântico.
Órgão de Turismo: Turismo de Sintra.
Morada: Rua Gago Coutinho 1
Código Postal: 2710 566 SINTRA
E-mail: pnsc@icn.pt
Distrito: Lisboa
Concelho: Sintra
Freguesia: Santa Maria e São Miguel

8º Passeio Caixa Carbono Zero - Circuito do Penedo


A serra de Sintra no seu melhor


Rui Nogueira

Este passeio (proposto numa versão longa e numa alternativa mais curta) permite descobrir, a pé, o essencial da serra de Sintra. Tem, para além disso, a vantagem de se desenvolver em anel, com retorno ao ponto de partida, o que simplifica a logística. A «base de operações» é a pitoresca aldeia do Penedo, perto de Colares, com facilidade de estacionamento e um café e um restaurante, modesto mas simpático. Que mais se pode pedir para uma boa caminhada?
O percurso, não sendo complicado, tem alguma exigência física, devido à quantidade de subidas e descidas ao longo deste circuito de 11 km (menos de metade na versão curta). Passa nalguns dos pontos mais marcantes da serra, desde a Peninha (proximidades) ao Monge, sem esquecer os Capuchos. Alterna estradões de bom piso (na maior parte do percurso), com calçadas antigas e veredas na floresta (sobretudo na parte final). As vistas panorâmicas (primeiro sobre o litoral da Praia das Maçãs e Mafra e depois sobre o Guincho e Cascais) são um último e nada despiciendo trunfo deste itinerário às portas de Lisboa.

Região: Grande Lisboa
Como chegar: Pela EN247, a estrada que liga a Malveira da Serra ao cabo da Roca e a Colares, derivando para a aldeia do Penedo, de preferência no cruzamento do Pé da Serra (de forma a entrar na aldeia, não pelo lado de Almoçageme, mas pela serra)
Local de início: Largo da Igreja, aldeia do Penedo
Local de fim: O mesmo
Época aconselhada: Todo o ano (mesmo de Verão, Sintra é sempre relativamente fresca)
Extensão: 11 km (o desnível entre o Penedo e o Monge é quase de 300 m); 5 km na versão curta (ver final do texto)
Sinalização: Inexistente (há marcações pelo caminho mas dizem respeito a outros itinerários pedestres)
Dificuldade: Média/Alta (devido à altimetria)
Carta 1/25.000 do IGE: 415

Cartão Caixa Carbono Zero: o cartão que enCaixa Natureza. Saiba mais.

Um conselho antes de falar no passeio a pé propriamente dito. Se vem de carro do lado de Cascais é preferível entrar no Penedo pelo lado de cima, evitando a estreita e, por vezes congestionada, ligação à EN247 junto a Almoçageme. No Pé da Serra saia da Estrada Nacional e suba à direita, direcção «Convento dos Capuchos». 1,8 km depois encontrará, à esquerda, a derivação para o Penedo. É estreita e inclinada mas dá acesso directo ao Largo da Igreja. Na versão longa do percurso vai, justamente, refazer a pé toda esta rampa.

Perto do local onde estacionou tem um café (onde pode fazer as últimas compras) e, ao lado, o «Refúgio do Ciclista», tasco à antiga, cujos grelhados e vinho da casa o poderão retemperar à volta. Se, porventura, quiser optar por uma versão mais suave e curta do itinerário, salte directamente para a referência respectiva no final.

No que ao percurso principal diz respeito, saiba que estes primeiros minutos vão puxar pelas suas forças: trata-se de voltar a subir a rampa asfaltada que desceu, até ao cruzamento da estrada dos Capuchos. Faça pausas para recuperar o fôlego e, sobretudo, para apreciar a vista, cada vez mais bonita e desafogada: até o Convento de Mafra se vê daqui. A navegação não tem mistério: é sempre a subir, primeiro pela Rua do Tanque Novo e, depois, pela Calçada dos Moinhos (encontrará alguns dos ditos transformados em residências particulares).

2010-10-20
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida