Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

427º

de 1009
ver todos

Restaurante Yakuza First Floor

427º

de 1009
ver todos

Localizado num primeiro andar de um edifício na Rua da Escola Politécnica, junto ao Largo do Rato, o Yakuza First Floor abriu em novembro de 2015, vindo juntar-se à coleção de restaurantes do chefe/restaurateur Olivier.
A decoração sofisticada, e um jardim japonês a emprestar serenidade, marcam a diferença neste restaurante requintado dedicado à cozinha nipónica. Os sushimen Agnaldo Ferreira e Alexandre Hatano são os responsáveis pelas criações exclusivas que não dispensam o toque final de Olivier.
O espaço divide-se em três salas. Duas estão decoradas a pérola e prata, com recantos confortáveis com cadeirões e sofás. Na outra sala, mais descontraída, está o balcão que se desenvolve em torno do sushi bar e que permite apreciar o trabalho dos sushimen.

Dia(s) de Encerramento: Segundas, Sábados (Almoços)
Especialidades: Salada Yakuza, Miso ou Gyoza Jikasei; Sushi e Sashimi Tradicional e New Style, Robata, Gunkans, Makizushi, Tempura e Massas. Doces: Arroz de cocô, ananás e gengibre, Creme queimado de jasmim, manga e sasho; Gelado japonês
Preço Médio: 40.00
Sanitários para Deficientes: Sim
Tipo de Restaurante: Japonesa
Horário de Funcionamento: De terça a domingo das 12:30 às 15:00 e das 20:00 às 00:00. Sábados das 20:00 às 00:00.
Área para fumadores: Zona Fumadores + Zona Não Fumadores
Morada: Rua da Escola Politécnica 231
Código Postal: 1250 101 LISBOA
Tel: 934000913
E-mail: yakuzafirstfloor@olivier.pt
Site: www.facebook.com/Yakuza-First-Floor-639036392905030/
Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa
Freguesia: São Mamede

Yakuza First Floor


Quando o sushi está um nível acima


Nelson Jerónimo Rodrigues

Situado no primeiro andar da antiga Real Fábrica das Sedas, em Lisboa, o novo restaurante de Olivier tem a fama deste chefe/restaurateur e o proveito da cozinha tradicional japonesa. Já o nome foi inspirado numa temível máfia nipónica - a Yakuza -, autodenominada “organização de cavalheiros” que juram lealdade eterna ao líder. Só que neste caso o código de honra é só um: servir o melhor sushi num ambiente exclusivo e sofisticado.

Não bastam 16 degraus para podermos aceder ao mundo oriental do Yakuza First Flor. Lá em cima, a porta está sempre fechada e só abre depois de nos identificarmos através de uma portinhola que responde ao toque da campainha. Nesse hiato de tempo, damos largas à imaginação e tentamos adivinhar quem estará do outro lado: será um carrancudo yakuza, daqueles cheios de tatuagens e com ar intimidante?

Puro engano. Ao nosso encontro veio uma gentil e sorridente empregada, vestida de kimono negro, que nos mostra os cantos à casa, situada no edifício da antiga Real Fábrica das Sedas, atual nº 231/1º andar da Rua da Escola Politécnica. É esta a nova morada do Yakuza First Flor, espécie de up-grade do Yakuza que antes funcionava no Hotel Tivoli Jardim, também ele pertencente a Olivier. E com ele, o quartier lisboeta deste chefe e restaurateur (“autor de restaurantes”) ultrapassou as redondezas da Avenida da Liberdade (onde tem mais quatro casas) e já chegou às portas do Largo do Rato.

O Oriente cada vez mais próximo

O Yakuza First Flor é composto por vários espaços distintos, tanto no ambiente como na decoração, separados a meio por um corredor de paredes azuis que expõe o antigo traje de um samurai. À esquerda ficam duas salas mais clássicas, uma para fumadores e outra para não fumadores, com mobiliário (herdado do anterior Yakuza) em tons pérola e prata. Do outro lado estão as casas de banho, com néones de várias cores que evocam o colorido das metrópoles japonesas, mas também o bar, revestido a azulejos do século XVIII, e uma sala de espera que convida a provar os cocktails criados ali ao lado.

Apesar de um ou outro apontamento nipónico que fomos encontrando pelo caminho, o salto definitivo para o país do Sol Nascente só acontece na última sala de refeições, dominada por uma grande tela no teto com motivos orientais. Sob ela fica o sushi bar, um misto entre cozinha, palco e arena que nos coloca a centímetros do “espetáculo”, ou seja, dos sushiman que trabalham no interior do balcão. Meticulosos, precisos e concentrados mas ainda assim disponíveis (tal como os restantes empregados) para nos aconselharem e explicarem o sabor que cada peça nos há de trazer ao palato.

Assim que o tempo permitir, irão abrir-se as portas do jardim oriental, situado no piso térreo, onde será possível fazer uma refeição a céu aberto, rodeada de lagos e passadiços. Nessa altura, o mais difícil será optar entre a tranquilidade deste espaço, mais zen e luminoso, e o dinamismo do sushi bar, na parte de cima, com múltiplos jogos de sombras e cor. Qual yin-yang, no Yakuza os opostos também se atraem e complementam.

Tradicional ou new style? Tanto faz, o sucesso é garantido


Tal como o espaço, a ementa também resulta de uma fusão, desta vez entre Olivier e o chefe Agnaldo Ferreira,  que delegaram o trabalho do dia-a-dia ao chefe Alex Hatano. Juntos criaram uma lista extensa e variada, composta por oito secções (sobremesas incluídas), que privilegia o sushi e a gastronomia tradicional japonesa, sem esquecer algumas criações mais contemporâneas. Isso acontece, desde logo, nas entradas, onde tanto encontramos gyosas e miso (sopa de soja, tofu e cebolinho) como o taco sacana (tacos de tártaro de peixe, que em japonês diz-se sakana) ou uma imaginativa salada Yakuza com pato confitado, laranja e funcho. Seguem-se o sushi e o sashimi tradicionais e as versões new style, caso do shiromi (dourada em japonês) com crocante de cebola e molho ponzu à base de soja e citrinos ou do sashimi maguro, semelhante ao primeiro mas com atum.

Depois dos makizushi (arroz envolvido em fatias finas de peixe) vale a pena experimentar uma criação livre de gunkan (arroz com toping de peixe por cima) tradicionalmente enroladas em algas nori) como a que leva ovo de codorniz e trufa negra (faz lembrar um bitoque) e descobrir de que é feita a grelha japonesa: a robata. Um bom exemplo é o niwatori miso, versão japonesa de franguinho marinado em miso, que vai muito bem com espargos yaki e molho de cebola. A última parte da carta é dedicada às tempuras, às massas e aos combinados, com destaque para o Yakuza premium que junta 15 unidades de sushi e outras tantas de sashimi. Por fim, poderá optar entre meia dúzia de sobremesas mas nós sugerimos a kit-kat, mousse de chocolate com creme de avelã, bolachas amanteigadas e, claro, pedaços de kit Kat, que em japonês significa “sucesso garantido”.

Uma expressão também à medida do Yakuza First Flor, onde tudo parece ser de primeira, da gastronomia ao serviço, passando pela decoração e pelo ambiente. Será uma questão de nível? 

2016-01-14
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida