PORTUGAL FAZ-LHE BEM

de 1
ver todos

Miradouro do Forte das Ribas

de 1
ver todos

Deste forte pertencente às Linhas de Torres, que ainda guarda partes da muralha, avista-se boa parte da região Oeste, com o seu casario, vegetação e estações eólicas no alto dos montes.

Grau de dificuldade de acesso: Médio
Acessibilidade de deficientes motores: Acessibilidade condicionada
Código Postal: 2670 FANHÕES
Distrito: Lisboa
Concelho: Loures
Freguesia: Fanhões

Roteiro Yeti 3 - Descobrir as Linhas de Torres Vedras


Natureza e património às portas de Lisboa


Rui Nogueira

Faça com o seu Skoda Yeti aquilo que as tropas de Napoleão não conseguiram fazer há 200 anos, ou seja conquiste as Linhas de Torres Vedras. Erguidas entre 1809 e 1810 aproveitavam as colinas a norte de Lisboa para instalar uma dupla linha defensiva apoiada por centena e meia de fortes de diversos tamanhos. Visitá-las é descobrir a história e o património às portas de Lisboa

Tema: Bons ares e boas vistas
Pretexto: Tirar partido do desempenho fora de estrada do Skoda Yeti para subir aos fortes das Linhas de Torres Vedras
Região: Oeste
Como chegar: De Lisboa, saindo da A1 no nó de Alverca
Local de início: Cruzamento de Calhandriz (direção contrária) na estrada Alverca-Bucelas
Local de fim: Torre de vigia de Cabeço de Montachique
Extensão máxima: 40 km de carro, 5 km a pé
Características: Percurso a pé (ou de SUV) pela antiga estrada militar das Ribas
Pontos de interesse: Forte da Aguieira (Alverca), Forte das Ribas, marco geodésico e Miradouro de Cabeço de Montachique; para além destes, são ainda visitáveis na região: mastro de sinais da serra do Socorro (Pero Negro), forte grande do Alqueidão (Sobral de Monte Agraço), forte de São Vicente e museu municipal (Torres Vedras).
Atividades: Passeios a pé (ou de BTT) pelas cumeadas da segunda linha das Linhas de Torres

Depois das invasões de Junot (1807) e de Soult (1809) ficou claro para lorde Wellington, comandante das forças anglo-lusas, que Lisboa só podia ser eficazmente defendida de nova investida das tropas napoleónicas se existisse, a alguma distância da capital, uma rede de fortificações que, apoiando-se no Atlântico e no Tejo, não pudesse ser torneada por nenhum dos lados.

Em vez de construir sofisticadas obras defensivas tirou-se partido do terreno, fortificando desfiladeiros, transformando moinhos em posições de artilharia e tornando impraticáveis as estradas para Lisboa.

O dispositivo resultou em pleno: chegadas frente às Linhas em Outubro de 1810, as tropas do marechal Massena não tiveram forma de as transpor e acabaram por retirar em Novembro, vencidas pela fome e pelo mau tempo.

2010-08-18
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida