Quantcast
PORTUGAL FAZ-LHE BEM

de 6
ver todos

Fábrica de Chá Porto Formoso

de 6
ver todos

A ilha de S. Miguel possui, junto à sua costa norte, as duas únicas plantações de chá da Europa para fins industriais. A Fábrica de Chá Porto Formoso é uma delas, aliando à componente de produção uma outra, virada para a preservação das memórias do fabrico do chá desde os seus primeiros passos nas ilhas açorianas, no último quartel do século XIX. Trata-se do espaço museológico, no qual são proporcionadas visitas guiadas a qualquer hora do dia, dentro do horário de funcionamento. De seguida, os visitantes são convidados a provar os chás na belíssima sala a reconstituir uma cozinha típica micaelense, ou então na esplanada com uma vista magnífica sobre as plantações de chá e a vila de Porto Formoso. Todos os anos, na primavera, aqui se recria apanha do chá com trajes típicos da moda antiga.

Acessos: Estrada Regional nº 24
Dia(s) de Encerramento: Domingos
Horário de visita: Entre as 10:00 e as 18:00, durante os meses de verão.
Marcação prévia: Não é necessária.
Observações: Visita e prova de chás gratuitas.
Título: Produção e memórias do chá
Morada: Estrada Regional nº 24
Código Postal: 9625 413 PORTO FORMOSO
Tel: 296442342
E-mail: geral@chaportoformoso.com
Site: www.chaportoformoso.com
Distrito: Ilha de São Miguel
Concelho: Ribeira Grande
Freguesia: Porto Formoso

Fábrica de Chá de Porto Formoso


O chá dos Açores dispensa apresentações. Bem, pelo menos no que toca à sua qualidade, indiscutível. No entanto, a informação relacionada com a sua produção é tão rica e complexa, que merece uma atenção muito especial. Para já, comecemos por chamar os nomes certos às coisas: o chá açoriano é, na verdade, micaelense.


Ana Marta Ramos

Património único

Se lhe dissermos que a costa norte da ilha de S. Miguel é o único sítio da Europa onde existem plantações de chá para fins industriais; se acrescentarmos que, em todo o mundo, o único sítio onde se produz chá a norte de S. Miguel é a Geórgia, isto já lhe deve dar uma pequena ideia da importância do que aqui temos para lhe mostrar. E, ao que parece, a produção oriunda desse país do Cáucaso, para consumo doméstico, nem sequer tem grande qualidade, mas isso já são contas doutro rosário.

A chegada à Fábrica de Chá de Porto Formoso faz-se pela Estrada Regional nº 24, ao longo da qual vamos podendo apreciar a riqueza da vegetação desta parte da ilha, sempre com o mar como enquadramento. Da entrada podemos apreciar o declive no qual se inscrevem as construções que albergam o museu e a fábrica, com uma vista particularmente agradável sobre as plantações de chá, em primeiro plano, e a bonita enseada de Porto Formoso, em segundo.

Convidados de honra

Rapidamente somos recebidos por um guia, que nos convida a assistir a um vídeo de introdução à visita. Qualquer pessoa que chegue aqui, dentro do horário de funcionamento, recebe a mesma atenção.

Durante a exibição, aprendemos que a transformação industrial do chá teve início nos Açores em 1878, e foi ensinada aos locais por dois chineses, convidados pela Sociedade Promotora da Agricultura Micaelense precisamente para esse efeito. Das várias fábricas que chegaram a existir, a Gorreana era, até há pouco tempo, a única resistente. Até que, em 1998, os actuais proprietários da Fábrica de Chá de Porto Formoso iniciaram a recuperação deste complexo.

Depois da passagem pela sala-museu, onde podemos ver alguns utensílios e peças de vestuário associados aos primórdios deste cultivo, entramos na fábrica propriamente dita. O aroma é, desde logo, convidativo: cheira a ervas frescas, a campo, a orvalho matinal.

2004-08-17
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida