PORTUGAL FAZ-LHE BEM

de 1
ver todos

Ecoparque Sensorial da Pia do Urso

de 1
ver todos

Consiste num parque temático, adaptado a invisuais, acompanhado de um percurso pedestre composto por diversas estações interactivase lúdicas. Ao longo do percurso podem observar-se as formações geológicas - as chamadas "pias" - onde, antigamente, os ursos bebiam água. Um óptimo local para um passeio onde pode desfrutar da paisagem e da calma envolvente.

Morada: Portela das Cruzes São Mamede
Código Postal: 2495 031 SÃO MAMEDE
Tel: 244769110
E-mail: cultura@cm-batalha.pt
Site: www.cm-batalha.pt
Distrito: Leiria
Concelho: Batalha
Freguesia: São Mamede

Parque Eco-Sensorial da Pia do Urso


Brincar com a Natureza


Cláudio Garcia

De tudo o que torna único o Parque Eco-Sensorial da Pia do Urso, sobressai o planeamento para cidadãos invisuais, que está no centro deste projecto de convívio com a Natureza. Através de estações interactivas, completadas com textos em braille, o circuito pedestre cumpre o objectivo de proporcionar novas experiências e sensações. Para a restante população, o parque revela-se um cenário raro de respeito pelo ambiente e uma oportunidade para conhecer as típicas formações geológicas do maciço calcário estremenho.

A aldeia de Pia do Urso fica na serra, na freguesia de S. Mamede, a sete quilómetros do Santuário de Fátima e a 17 do Mosteiro da Batalha. O pequeno núcleo histórico de habitações em pedra foi recuperado, tal como os arruamentos, agora interditos a viaturas, numa intervenção que incluiu o Parque Eco-Sensorial, duas zonas de merenda, um miradouro virtual, um restaurante de cozinha regional, um café e três lojas de artesanato e produtos da terra.

A visita começa tipicamente no Centro de Acolhimento e Interpretação da Pia do Urso, onde existem folhetos explicativos em português, inglês e braille. Há um pequeno auditório e uma exposição permanente de antigos utensílios domésticos e agrícolas, da colecção particular
de Armindo Vieira. Inclui ferramentas de sapateiro, uma espingarda pardaleira, um fogareiro a petróleo, uma canga de bois e um ferro de alfaiate, entre dezenas de objectos já saídos de circulação.

A rua principal acolhe todos os estabelecimentos. É a rota certa para descobrir os tesouros locais: ginjinha, frutos secos, bolos regionais, mel, vinhos, licores, azeite e compotas. A aldeia propriamente dita, com casas tradicionais rodeadas de verde, justifica o passeio. Há dois acessos, Norte e Sul, mas apenas o último oferece estacionamento, que é gratuito.

2009-06-03
Seja o primeiro a avaliar
Receba as melhores oportunidades no seu e-mail
Registe-se agora

Boa
Vida