PORTUGAL FAZ-LHE BEM

Ver
mapa

Quinta da Rosa Linda

Hospedaria a menos de um quilómetro da Praia de Monte Gordo, que combina a tranquilidade do espaço com o serviço atencioso. Dispõe de piscina exterior para os dias mais quentes e uma lareira no salão para os tempos de Inverno. Os visitantes podem também utilizar os barbecues colocados no exterior para a realização de churrascos.




Localização: Campo
Nº de quartos: 10
Morada: Avenida Salgueira Maia
Código Postal: 8900 450 MONTE GORDO
Tel: 281530340
E-mail: quintadarosalinda@gmail.com
Site: www.facebook.com/ResidencialQuintaDaRosaLinda
Distrito: Faro
Concelho: Vila Real de Santo António
Freguesia: Monte Gordo

Percurso Pedestre em Vila Real de Santo António


Passeio pombalino


Nelson Jerónimo Rodrigues

Descubra a cidade desenhada a régua e esquadro pelo marquês de Pombal neste percurso com pouco mais que três quilómetros mas muito para ver e aprender. Um roteiro geométrico pelo centro histórico onde o Iluminismo está omnipresente e o Guadiana serve de pano de fundo.

Em Vila Real de Santo António todos os caminhos vão dar à Praça Marquês de Pombal por isso nada melhor que este largo para servir de ponto de partida e chegada ao nosso passeio, um percurso pedestre de pequena rota que tanto se pode fazer em meia hora como em meio-dia. Tudo depende do grau de interesse e curiosidade dos participantes, porque o concentrado de informação é muito e a primeira cidade portuguesa construída de raiz (1773/1744) tem mil e uma histórias para contar.

Desde logo ficámos a saber que o largo – outrora chamado de Praça Real - é um quadrado perfeito com exatamente 330 palmos (um palmo = 22 cm) de comprimento em cada lado, assinado pelo principal arquiteto da corte na época, o capitão Reinaldo Manuel dos Santos. Nos vértices existe um torreão pombalino e ao centro ergue-se o obelisco, colocado em 1776 e dedicado ao rei D. José.

Se ao meio fica um símbolo do poder régio, a este está um do poder local moderno - o novo edifício da câmara municipal -, enquanto a norte é o poder religioso que se faz representar na igreja matriz, devota de Nossa Senhora da Encarnação. Vale a pena entrar no único templo católico da cidade, onde se destacam os retábulos das capelas laterais em estilo rocaille, um conjunto de imagens do século XVIII, e os vitrais, estes já colocados na década de 40 do século passado.

Entre o rio e a história

Do sagrado ao profano é um instante porque as concorridas lojas e esplanadas de Vila Real de Santo António estão ali mesmo ao lado. Já lá iremos porque antes viramos na primeira rua à direita (António Capa) que serve de morada à GNR e à PSP. Depois desta seguimos em direção à Avenida da República, paralela ao rio Guadiana. 

É nesta artéria, também conhecida por Baixa-mar, que ficam alguns dos mais belos e imponentes edifícios da cidade, a começar pela Casa dos Folques (antigo edifício Ramirez), projetada pelo arquiteto Raul Lino em 1922. Pouco depois chegamos a outro símbolo arquitetónico da cidade, o Hotel Guadiana. Sumptuoso por fora, mas degradado e vazio no interior, espera por melhores dias para reviver a atmosfera elegante e elitista que o rodeou no século passado.

Passamos agora até ao outro lado da rua, junto à marina, para melhor observarmos a correnteza de casas que se seguem, outrora sede das companhias de comércio e habitação das famílias nobres destacadas para esta povoação. O traço pombalino da arquitetura não engana e o mesmo acontece com a estátua em mármore que encontramos logo depois, em jeito de homenagem ao governante que mandou construir VRSA: o marquês de Pombal, pois claro.

2013-03-25
Seja o primeiro a avaliar