PORTUGAL FAZ-LHE BEM

13º

de 291
ver todos
Ver
mapa

Restaurante Sardinha Alfândega

13º

de 291
ver todos

Instalado numa dependência do antigo Convento de Monchique e com magnífica vista sobre o Douro, ocupa o lugar do antigo restaurante Sessenta Setanta. O Sardinha Alfândega, irmão do Sardinha de Espinha, baseia a sua oferta numa seleção de bom peixe. Conta com animação e noites de música ao vivo.

Acessos para deficientes:
Bar/Sala de espera: Bar e Sala de Espera
Dia(s) de Encerramento: Segundas (Jantares)
Estacionamento:
Horário de Encerramento:
Necessidade de reserva: Não é necessário
Preço Médio: 25.00
Recomendado para grupos: Sim
Sanitários para Deficientes:
Serviços: Esplanada
Tipo de Restaurante: Portuguesa, Peixe e Marisco
Horário de Funcionamento: Das 12:00 às 23:00.
Área para fumadores: Zona Fumadores + Zona Não Fumadores
Morada: Rua Sobre o Douro 1 A
Código Postal: 4050 592 PORTO
Tel: 222033139
Site: www.facebook.com/sardinhadalfandega
Distrito: Porto
Concelho: Porto
Freguesia: Massarelos

Restaurante Sessenta Setenta - Porto


Tentação à beira-Douro.


Sara Raquel Silva

Com uma cozinha delicada e vistas soberbas sobre o rio Douro, o Sessenta Setenta é um restaurante incontornável na cidade Invicta.

Alojado em parte do antigo Convento de Monchique, o Sessenta Setenta, fazendo jus ao trocadilho da designação (se senta, se tenta) é realmente tentador. A decoração, sóbria, mas de extremo bom-gosto, tem como remate de ouro uma vista sublime sobre o Douro.

Os responsáveis por tão agradável casa de comida são Francisco Meireles, o chefe, e o arquitecto Lourenço Roqui, um dos sócios, que recuperou integralmente esta dependência do Convento de Monchique, transformando-a num espaço de uma simplicidade desarmante.

As paredes de pedra estão pintadas de cinza e o mobiliário de linhas direitas é disposto geometricamente ao longo da sala. Esta é iluminada, consoante a altura do dia, pela luz que jorra da janela ou por discretos candeeiros, ora suspensos no tecto, ora aplicados a cada mesa. Assim, se à hora de almoço, o restaurante é sobretudo acolhedor, à noite as velas e a iluminação artificial dão outro mote – o do romantismo.

A cozinha, por seu lado – e o que nos traz de facto por aqui -, suplanta as expectativas. Sem sombra de dúvidas que Francisco, apesar de nos garantir a ausência de formação clássica na área, é senhor de uma técnica segura, capaz de surpreender com paladares inusitados.

Tanto que arrecadou o prémio de melhor sobremesa com uma original Pêra Glacé, no concurso organizado pela Chivas Regal (o júri era presidido pelo conceituado chefe Vítor Sobral), em 2005. E pensar que há apenas três anos trabalhava no ramo automóvel… O chefe parece criar segundo a inspiração do momento. Não gosta, por isso, de adiantar muitos pormenores sobre a sua cozinha – apenas que prefere “não misturar muitos alimentos, pois quanto menor é a intervenção nos produtos, melhor e maior é o aroma”.

E também prefere não conotar o seu restaurante com nenhum tipo de gastronomia em particular, servindo pratos tão distintos como Sapateira com Pêra Abacate, Rodovalho com Espargos ou Cabidela de Capão.

Nós aprovamos a política de simplicidade, até porque o Patattu, entrada da sua autoria, confeccionado à base de batata, fava, feijão e açafrão, que experimentámos, é soberbo. Ainda mais quando se tem o Douro, os rabelos e as caves do vinho do Porto, já do lado de Gaia, por companhia.

2006-01-10
Seja o primeiro a avaliar